Domingo, 16 de junho de 2024

Em 12 meses, Cremers recebeu mais de 500 denúncias e exercício ilegal da Medicina

Pessoas sem habilitação exercendo a função de um médico. Além de criminoso o ato está se tornando recorrente. O Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers) revelou que nos últimos 12 meses recebeu 532 denúncias.

Conforme o Conselho a maioria dos registros está relacionada a procedimentos estéticos invasivos, harmonização facial e corporal e uso de hormônios. ‘’Procedimentos estéticos invasivos devem ser realizados apenas por médicos, preferencialmente dermatologistas ou cirurgiões plásticos, que são os especialistas capacitados para atender ao paciente com segurança. Também devem ser feitos em ambiente adequado, de acordo com as normas sanitárias vigentes, e com estrutura para imediata intervenção de suporte à vida’’, alerta o presidente do Cremers, Eduardo Neubarth Trindade.

No primeiro semestre de 2023, o Cremers recebeu 190 denúncias de exercício ilegal da Medicina. Número superior a todo ano de 2022, quando o Conselho recebeu 140 denúncias. ‘’A cada ano, há um aumento significativo de casos de exercício ilegal da Medicina, muito em decorrência da invasão das atividades médicas por outras categorias profissionais’’, salienta Trindade.

Conforme a conselheira da Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos (Codame)/Exercício Ilegal da Medicina (EIM), Karin Marise Jaeger Anzolch, todas as denúncias recebidas são acolhidas e investigadas. ‘’Se o denunciado não for médico, o Cremers encaminha a documentação ao Conselho profissional responsável. Caso envolver médico, é aberta sindicância. Se apurados indícios de exercício ilegal da Medicina, ela será encaminhada para a Polícia Civil ou Ministério Público Estadual – órgãos com os quais o Cremers mantém acordo de cooperação – para que sejam tomadas as providências cabíveis’’, afirma.

‘’O paciente deve estar consciente de que é fundamental consultar a formação do profissional contratado, buscar indicação de procedimentos realizados, desconfiar de facilidades financeiras e de locais sem estrutura de atendimento médico’’, orienta Anzolch.

Giovani de Oliveira

Giovani de Oliveira

Sou um cara de Porto Alegre! Colorado, acredito no Jornalismo e no Movimento Escoteiro como ferramentas para deixar o mundo um pouco melhor do que eu encontrei. Gosto de fazer entrevistas e tecer comentários aleatórios sobra a vida, o universo e tudo mais.